Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

Tecnologia Achix
Busca
Busca Avançada
Entrar | Não é cadastrado?
Você está em: Início » Textos » Bio

Textos

Bio

Em 1974 exatamente as seis da noite enquanto no rádio se pudia ouvir a \"Ave Maria de Shubert\", nascia na rua Estevão Inácio, na pequena e pacata Sanharó, cidade situada no agreste de Pernambucano; José Cláudio Barbosa Silva Zebarsy, filho de Cândido Firmino e de dona Mª Soledade Barbosa. Sendo o mais velho de uma família de seis irmãos e de tradição agrícola, forjado nos trabalhos duros e braçais das lavouras, acostumado a todo tipo de escacez, secas intermináveis e extrema pobreza, numa terra onde as famílias mais abastardas (Coronéis) monopolizavam a política, a economica e o destino dos mais pobres e humildes, o seu único consolo no final de cada dia de trabalho na roça, era ouvir as estórias de malassombros dos mais velhos ou observar fascinado os acordes dedilhados por seu pai em um velho e desafinado violão à noite antes de dormir. Todas essas dificuldades não o impediram de ir observando ao crescer as nuances das tradições culturais da sua terra e de um nordeste que ainda quardava a genuidade e os saberes da cultura \"viva\" dos seus antepassados. Fosse na religiosidade da sua mãe que fazia questão de conduzilo as missas dominicais juntamente com os outros seus cinco irmãos, as festas de Santos e procisões, fosse participando dos blocos carnavalescos, das festas de São João, rodas de choro ou serestas, nestes momentos Zebarsy sempre firmava a certeza que a música era o \"fio\" condutor da alegria, da expressão, da vida do povo quando via o brilho nos rostos das pessoas, e o molejo tão presente sobretudo nos ritmos populares como as quadrilhas, o xote, o baião e o coco etc. Sentia que mesmo com tantas agruras na vida, os momentos vivídos de celebração ao fazer e ver fazerem música, lhe alimentava a esperança de dias melhores e quem sabe quebrar os grilhões e mazelas impostas pelos poderosos de uma sociedade artificial e pálida para os valores humanos e da arte. Apesar de tantas dificuldades que a vida lhe impusera, Zebarsy preferiu ver além, preferiu perceber as sutilezas da beleza do mundo, encontrando assim nos versos que desde dos 12 anos escrevia ou nos acordes que tirava do violão o motivo e o sentido maior para viver, para sonhar. O motivo fundamental e definitivo, a \"música\"... Sua namorada mais fiel, sua parceira, com quem teve e tem até hoje, mesmo depois de mais de 20 anos de estrada, um caso extremo de amor. Esse namoro começou ainda lá no sítio Barriguda, quando Zebarsy ouvia os divinos das rezadeiras na voz de sua avó Izaura Barbosa, as influências do seu tio Edmilson Barbosa (tio missin) que lhe apresentara a música do rei do baião Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Gonzaguinha, o romântimo do rei Roberto Carlos, os rits da Jovem guarda, num saudoso rádio de pilhas, as bandas de música que eram o ápice em suas apresentações nas principais festas de Sanharó, mas ainda seresteiros e chorões que via nas rodas e feiras, essa foi a sua escola inicial, a escola da vida mesmo, foi teimando, aprendendo por pitadas, \"curiando\" quem sabia mais, memorizando um acorde aqui, outro ali. Aos 7 anos já tirava os primeiros acordes ao violão do seu pai, e aos poucos foi cada vez mais mergulhando no mundo da música. Aos 12 anos por incentivo do amigo de infância Ricardo Leite, entra para a Banda Municipal de Sanharó, onde dá os primeiros passos no estudo do clarinete e saxofone por dois anos sob tutela do Maestro Gustavo Leite. Aos 14 anos entra para Banda Santa Cecília, regida pelo Maestro Lídio Maciel, mas não permaneceria por muito tempo, pois como já se destacava na sua cidade e região como violonista e cantor prodígio, já tinha como certo o que iria fazer para o resto da vida ser músico profissional. Sempre incentivado pelos amigos músicos Jorge Cordeiro, Pilúca e Bebeto Pessoa com quem inicialmente aprendeu a dar os primeiros passos em pequenas apresentações na sua cidade, aos poucos foi se tornando um dos artistas mais solicitados para espaços de Música ao vivo em Sanharó e cidades circo-vizinhas como Pesqueira, Porção, Alagoinha, Arcoverde, Belo Jardim, São Joaquim do Monte, Brejo da Madre de Deus, Santa Cruz do Capibaribe, Caruaru, Garanhuns, Gravatá, Recife entre outras. Sempre com um repertório repleto de belas canções da Bossa Nova, da MPB e da música regional nordestina foi ganhando o mundo e fazendo-se ouvir e deixando sua marca por onde passava sempre com uma voz marcante e o virtuosismo ao violão. Em 1995 é apresentado por seu amigo e professor de música Eliseu Santos, ao Maestro Marco Cezar de Oliveira Brito na escola técnica federal de Pernambuco (Cefet - Pesqueira), com esse mestre se aprofunda na arte do choro, da MPB e da literatura musical sendimentando sua formação musical básica que lhe daria o fôlego e a coragem de começar a mostrar suas canções autorais pois esse era seu maior sonho, cantar suas próprias canções. Em 1998 se muda para Rondon ao suldeste do Pará, onde participa de vários festivais de Música e atua como cantor e músico-ator em oficinas e peças de teatro, além de trabalhar como Educador Musical no (INSTITUTO TEOREMA DE EDUCAÇÃO). Em 1999 retorna a Pernambuco e fixa morada na capital recifense, entra pro Conservatório Pernambucano de Música, nesse tempo procura se aperfeiçoar nas técnicas do violão erudito e canto lírico, mas para sobrevier termina voltando a vida de \"crooner\", nesse tempo estoura a crise das grandes gravadoras no mundo e a disseminação dos Cds piratas mas ao mesmo tempo abrindo as portas para a música independente, mesmo em meio a todo esse turbilhão, decide por si só, mesmo com tão poucos recursos, produzir e dirigir a gravação do seu primeiro álbum independente intitulado \"Caminhos\", e em 2006 lança seu primeiro Cd em Sanharó, sua terra natal, depois disso dá inicio a divulgação por todo estado de Pernambuco em festivais de música indepentes. Em 2008 Zebarsy se muda para São Paulo, na grande metrópole Paulista vai tentar a vida e alento para sua carreira, neste tempo reecontra os amigos atores Dinho Lima flor e Rodrigo Mercadante que o apresenta ao (Grupo de teatro vento forte - SP - RJ) desse contato surge a oportunidade de Zebarsy excurcionar na turnê de 2008 com o grupo por 17 estados e 50 cidades do Brasil pelo palco giratório do SESC nacional com a peça (As quatro chaves) do diretor, ator e escritor Ilo Krugli, com quem teve a honra de conviver, trabalhar e aprender muito durante a turnê. Zebarsy também atuou como violonita e cantor nas peças (Cante lá, que eu canto cá) e (Uma toada pra João e Maria) ambos trabalhos da (Cia do Tijolo - SP). Depois de um ano em São Paulo, decide voltar para Penambuco e reencontra o renomado Maestro Mozart Vieira (Até hoje seu mentor) com quem estuda por dois anos numa preparação para cursar a faculdade (Licenciatura em Música Popular - IFPE - Instituto Federal de Pernambuco) curso esse há mais de 20 anos sonhado e implantado pelo Maestro possibilitanto a milhares de jovens músicos do Sertão e do Agreste (Belo Jardim - PE/ campus Belo Jardim) terem a oportunidade de se graduarem em Música sem precisar irem para outras capitais. Atualmente Zebarsy se divide entre ministrações de aulas e cursos de Educação Musical, Canto e violão popular em instituições de ensino na cidade de Belo Jardim, shows em festivais de Pernambuco e do Nordeste, e as gravações do seu novo albúm que tem previsão de lançamento até o final de 2012. Esperamos com muito afã o novo trabalho desse grande talento da nova MPB e certamente degustaremos com muito gosto suas novas e lindas canções.

claudiozebarsy.com.br

myspace.com.br/zebarsy

palcomp3.com.br/claudiozebarsy (BAIXAR DISCO GRÁTIS).

Contatos para Shows: (81) 9155-9757 - (81) 997807890.
Visualizações: 950
Gostou?! Então vote!
  • 0 pessoas votaram Sim
  • 0 pessoas votaram Não
Esse conteúdo foi criado e postado por:
Autorizado por:

RedeCriativaPE em 22.09.2012 às 14h01

Direitos Autorais:
Este Conteúdo faz parte dos canais:

Este conteúdo tem 0 Comentários

Neste espaço não serão permitidos comentários que contenham palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa. A equipe do portal iTEIA reserva-se no direito de apagar as mensagens.

Deixe um comentário








Parceiros
Cooperação
Integração
Realização
Patrocínio

Ir para o topo